Áreas FINANÇAS

Hedge Cambial: conheça os seus 4 principais instrumentos

25 de fevereiro de 2021

Saber mais sobre Hedge Cambial pode te ajudar a controlar os riscos da sua empresa e evitar prejuízos. Saiba mais! 

 

Hedge significa, do inglês, “cobertura” ou “salvaguarda”.

Na prática, é um termo utilizado para definir uma estratégia de proteção financeira que utiliza derivativos financeiros para reduzir o risco da exposição no mercado financeiro.

Ele possui diversas formas, e o Hedge Cambial é uma delas.

Empresas com operações em outros países, as quais possuem uma série de despesas e de receitas em moeda estrangeira, previstas para uma data futura, podem utilizá-la para se proteger do risco. 

Além disso, pensando no cenário econômico atual: o Real foi a segunda moeda mais desvalorizada do mundo em 2020 e, por mais que os fatores que levaram as oscilações sejam variados, a previsão é que este ano mantenha o padrão. 

Ou seja, 2021 é o ano em que o uso do Hedge Cambial pode fazer a diferença nos resultados financeiros das empresas. 

Você conhece sobre o assunto? Sabe quais os tipos de instrumentos? Quer descobrir como e porque o hedge de câmbio é vantajoso para proteger o patrimônio das empresas? 

Fique conosco! 

O que é Hedge Cambial?

O Hedge Cambial, então, se trata de uma técnica para proteção aos riscos causados pela flutuação na cotação de moedas estrangeiras.

É uma técnica que funciona utilizando instrumentos financeiros, denominados derivativos, que são contratos mútuos com o valor tendo como base alguma moeda, geralmente o dólar.

Os contratos podem ser realizados em mercado organizacionais, como a bolsa de valores B3 ou nos mercados de balcão.

Dessa forma, o hedge pode ser aplicado como uma maneira de proteger o patrimônio, garantindo o fluxo de caixa, preservando os investimentos e mantendo a empresa saudável financeiramente. 

Como funciona o Hedge Cambial

Por exemplo, vamos supor que as receitas do negócio partem da exportação de café e foi efetuado um pedido no valor de US $1 milhões em sacas desse produto. 

Porém, o pagamento só será realizado daqui a três meses. Para calcular qual será a sua receita deve se considerar dois cenários:

O dólar pode chegar a R$4,40, neste caso, a empresa teria um faturamento de R$4,4 milhões.

Ou, o dólar pode sofrer desvalorização e chegar a R$4,10, dessa forma, o faturamento cairia para R$4,1 milhões.

Conhecendo esses possíveis cenários, como forma de evitar perdas e minimizar o risco, a empresa pode utilizar o Hedge Cambial.

Dessa forma, ela busca interessados no mercado financeiro em pagar U$4,25 na moeda em três meses, por exemplo. 

Assim ela garante a sua margem de lucro e evita qualquer prejuízo.

Os 4 Instrumentos para fazer Hedge Cambial

Para realizar o hedge de câmbio podem ser utilizados diversos instrumentos financeiros, conheça os principais:

1. Contrato a termo de moeda 

Os contratos a termo de moeda são um acordo de compra e venda de uma determinada moeda por um preço específico, em uma data futura.

Esse tipo de derivativo ocorre no mercado de balcão.

Dessa forma, os contratos são mais adaptáveis às necessidades das partes envolvidas, que podem definir volume e vencimento, por exemplo.

Neste caso, os ganhos e perdas decorrentes das posições assumidas no contrato (comprador e vendedor) são apropriados apenas no vencimento do contrato.

Exemplificando :

Considere o exemplo da empresa que exporta café e buscou por interessados em comprar a moeda por R$4,25.

Agora, imagine os seguintes cenários: 

Na data de vencimento, o dólar está custando R$4,40, dessa forma, a empresa recebe um crédito de R$0,15 por dólar. 

Na data de vencimento, o dólar está custando R$4,10, neste caso, a empresa pagará R$0,15 por dólar.

Assim, utilizando essa técnica de hedge cambial, o risco extinguiu e não houve prejuízo financeiro.

2. Mercado futuro 

O contrato no mercado futuro tem o mesmo objetivo do termo de moeda: ser um contrato de compra e venda de uma moeda por um preço pré-estabelecido em uma data futura. 

Porém, ele se diferencia em dois aspectos:

  • Contratos negociados exclusivamente na bolsa, dessa forma, os contratos estão sujeitos a padronização e regras desse mercado organizacional.
  • As perdas e ganhos sofrem ajustes periodicamente, devido às flutuações na cotação, pois, esses contratos possuem marcarção a mercado. 

Dessa forma, a diminuição ou aumento no valor da moeda é recebida/paga ao longo da operação e não na data de vencimento do contrato.

3. Opções de compra e venda

As opções de compra e venda representam o direito de comprar ou vender uma moeda a um determinado preço no futuro, com uma data específica de vencimento, mas sem ter a obrigação de exercer o tal direito.

Neste caso, quem deseja adquirir o direito deve pagar um prêmio ao vendedor, que é o valor pago para conquistar o direito de vender ou comprar a moeda.

Exemplificando:

Um exportador de soja, que terá a safra daqui há 5 meses, fica com receio de os preços caírem quando for realizar a sua venda. 

Com isso, ele adquire o direito de vender ao preço de exercício por U$300 cada saca de soja, com o vencimento para 5 meses. 

Para conquistar esse direito ele paga um prêmio de U$3 dólares por saca.

Supondo que a venda seja de 100 sacas, são possíveis dois cenários: 

Aumento no preço: no vencimento da opção o preço à vista da saca de soja é de U$ 350, dessa forma, ele não terá o interesse de exercer o direito de venda e terá de pagar o prêmio de U$ 300 (referente as 100 sacas) 

Diminuição no preço:  no vencimento da opção o preço à vista da saca de soja é de U $280, assim, ele terá o interesse de exercer o seu direto. Neste caso, ele irá receber U$29.700 ( U$30.000 da venda – U$ 300 do prêmio)

4. Fundos Cambiais

Os fundos cambiais permitem ao investidor alocar os seus recursos em fundos atrelados a alguma moeda estrangeira, geralmente o dólar, como forma de conseguir acompanhar as flutuações na cotação da moeda.

Conclusão

O artigo mostrou o poder do Hedge Cambial como ferramenta utilizada para evitar riscos por empresas e investidores que lidam com mercado cambial.

Dessa forma, os executivos financeiros que dominam as melhores práticas e estratégias para se aplicar a técnica, sem dúvida, serão um grande diferencial no mercado. 

Se você busca conhecimento em técnicas financeiras avançadas e se tornar um grande executivo, fazer um MBA pode ser a solução!

A Fundace USP oferece diversos cursos com enfoque em Finanças, Tesouraria e Controladoria. Confira!

Logo

Nós usamos cookies

Este site usa cookies para aprimorar sua experiência de navegação.