Áreas FINANÇAS

ESG: o que é e a sua relevância para as empresas

22 de abril de 2021

Descubra o que significa a sigla ESG e entenda porque essas 3 letras estão transformando a forma de investir !

 

Você sabe o que é ESG e qual seu impacto no mundo dos negócios? Se você acompanha as inovações do mercado financeiro, certamente já se deparou com ativos e fundos de investimentos, atrelados a esta sigla. 

Primeiramente, é necessário reconhecer que as boas práticas de gestão já passaram por transformações significativas no período pré-pandemia. Porém, a atual conjuntura acelerou esse processo, pressionando as organizações a se adaptarem.

Assim sendo, as decisões de gerenciamento no curto prazo deverão se adequar ao novo modelo de negócios que se intensificará no pós-COVID. A implementação da agenda ESG certamente é um dos alicerces dessa mudança. 

Quer entender o porquê? Leia este texto e descubra!

O que é ESG?

ESG é a sigla para os termos Environmental, Social and Governance. Traduzindo para o português: ambiental, social e governança. Esses termos estão revolucionando a forma como os mercados e os investidores avaliam o valor de mercado das empresas.

Embora a preocupação com a sustentabilidade não seja uma novidade, os critérios ESG representam uma verdadeira ruptura de paradigma nas práticas empresariais.

Simplificando: é um conjunto de métricas, utilizadas para identificar e fornecer informações sobre os ativos intangíveis de uma empresa, como o valor e reputação da marca e sua transparência gerencial e operacional. 

Vamos mostrar mais sobre o que significa cada uma das iniciais da sigla.

Significado das Siglas ESG

 

  • Ambiental (Environmental, E)

Refere-se ao impacto de um investimento nos recursos naturais, como o uso da água, de energias limpas, emissões de poluentes ou o nível de resíduos gerados por uma empresa em suas atividades.

  • Social (S)

Avaliam questões como condições de trabalho, a existência de exploração infantil, a diversidade na força de trabalho, a interação com as comunidades locais, saúde e segurança dos colaboradores.

  • Governança (G)

Diz respeito a como uma empresa é gerida e a sua responsabilidade em ser transparente sobre todas as suas decisões estratégicas e ações para com os stakeholders, principalmente os acionistas.

Assim sendo, a adoção dessas práticas devem ser incorporadas às estratégias de gestão de todas as empresas que desejam permanecer competitivas e atraentes para o mercado. 

Entenda melhor quais são as melhores práticas de governança corporativa!

A seguir aprofundaremos essas questões.

 

Qual a relevância das práticas ESG?

A preocupação com consumo consciente e sustentável ultrapassou a esfera das escolhas individuais dos consumidores, estendendo-se de forma expressiva ao mercado financeiro.

Atualmente, investidores têm priorizado ativos de empresas que assumam um compromisso com as melhores práticas ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG.

Por exemplo, no início de 2020, a maior gestora de ativos financeiros do mundo, a BlackRock, reconheceu a sustentabilidade como componente chave de sua abordagem de investimento.

Logo, a sinalização de um player tão relevante no mercado, impulsionou diversos investidores a romperem com paradigmas do capital.

Além das métricas mais tradicionais como o lucro, os critérios ESG passaram a balizar a composição de seus portfólios, com foco no longo prazo.

Com isso, o impacto do ESG não deve ser subestimado. São trilhões de dólares que validam a importância de contribuir para um mundo mais ético, saudável e justo, onde a transparência, a solidez e a resiliência são essenciais.

 

Como ser ESG? Medidas no meio corporativo

Como vimos, os investidores estão priorizando o investimento em ativos de empresas compromissadas com o meio ambiente, o respeito aos direitos humanos e o combate à corrupção na gestão empresarial.

Mas afinal, como as empresas podem implementar esse novo padrão e sinalizar ao mercado sua postura que além de fornecer retornos estáveis, reduz o risco no longo prazo? Veja a seguir.

 

1. Abrace a sustentabilidade

O comprometimento com a sustentabilidade deve ser elemento fundamental na gestão e planejamento estratégico das empresas, no desenvolvimento de seus produtos e no relacionamento com a comunidade.

Em outras palavras, as empresas devem assumir um papel ativo na busca de soluções para minimizar seus impactos ambientais. 

Questões relacionadas ao descarte de resíduos, o uso de energias limpas e redução de emissão de gás carbônico, dentre outras precisam estar constantemente no radar da organização.

 

2. Apoio a diversidade e a inclusão social.

No âmbito social, uma pauta que ganhou muita relevância é a equidade de gênero nos cargos de gerência. Igualmente importante é o pareamento salarial entre homens e mulheres que ocupam os mesmos cargos e possuem as mesmas atribuições.

Além disso, cabe destacar que, as condições de trabalho devem, sobretudo, respeitar os direitos humanos. 

Ainda, como a empresa interage com a comunidade ao seu redor, como participa de ações educativas e culturais, também tem um peso para serem bem avaliadas pelas métricas ESG.

 

3. Forte governança corporativa

O principal elemento em qualquer investimento é sempre com relação à visão de longo prazo. Para que suas decisões sejam sólidas e conscientes, os investidores precisam ter acesso a informações transparentes, detalhadas e precisas.

Assim, boas práticas de governança devem ser observadas nas ações de liderança e gestão. São de extrema importância regimes de auditoria transparentes, conselhos de administração independentes e diversos, além do respeito aos acionistas minoritários.

Em conjunto com esses elementos, destaca-se a aplicação contínua de políticas anticorrupção. É evidente que nenhum investidor gostaria de ter em sua carteira ativos de empresas envolvidas em desvio de dinheiro ou outras práticas ilegais.

 

4. Fortalecimento das relações com stakeholders

O estreitamento das relações com todas as partes interessadas no desempenho da organização, os chamados stakeholders, é fundamental para compreender as expectativas de mercado.

Esse grupo compõe a base de gestão de comunicação e são essenciais para o planejamento e execução de projetos. Portanto, fortalecer esses elos tem importância estratégica nas tomadas de decisões da empresa.

Portanto, a transparência e acessibilidade das informações, não apenas financeiras e contábeis, mas também aquelas relacionadas ao ESG, ampliam o valor da marca no mercado e asseguram um melhor posicionamento da empresa.

 

*

Ao conhecermos a relevância das práticas ESG na atual conjuntura, podemos concluir que a visão de um “capitalismo responsável”, permeado por questões de sustentabilidade e focado no longo prazo, não se trata de uma tendência passageira.

Assim, para as empresas permanecerem competitivas no mercado, tornou-se crucial ampliar o compromisso com as boas práticas que discutimos ao longo do texto, sem desconsiderar nenhuma das dimensões.

Afinal, as questões que são diretamente relacionadas aos parâmetros ESG ocuparão o núcleo das decisões de alocação de recursos financeiros e da gestão de riscos, tornando-se permanentes na pauta dos financial advisors.

Se você busca conhecimento em técnicas financeiras avançadas e se tornar um grande executivo, fazer um MBA pode ser a solução! A Fundace USP oferece diversos cursos com enfoque em Finanças, Tesouraria e Controladoria. Confira as opções de MBA’s!

Logo

Nós usamos cookies

Este site usa cookies para aprimorar sua experiência de navegação.