IFRS para empresas brasileiras, adequação às normas internacionais de contabilidade

As IFRS (International Financial Reporting Standards) são normas internacionais contábeis e de informação financeira que contribuem, de forma positiva, para as organizações empresariais. As IFRS foram emitidas e estão em constante revisão pela IASB – International Accouting Standards Boards ou Conselho de Normas Internacionais de Contabilidade.

Essas normas têm como objetivo a uniformização dos procedimentos de políticas e de contabilidade existentes entre os países. As IFRS melhoram a estrutura conceitual e proporcionam uma mesma interpretação sobre as demonstrações financeiras.

Elas são de extrema importância para que os personagens envolvidos com o setor financeiro como instituições, analistas, investidores e gestores, possam analisar os relatórios financeiros da mesma forma. Por isso, é importante que características qualitativas, na preparação das demonstrações financeiras como relevância, confiabilidade, equilíbrio entre custo e benefício, clareza possuam o mesmo critério.

IFRS no Brasil

Num passado recente, as normas contábeis no Brasil tinham como base o modelo americano USGAAP. AS IFRS não tiveram sua validação de maneira imediata por uma questão de respeito às leis nacionais e soberania nacional.

Assim, as IFRS foram adaptadas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, por meio da Resolução CFC nº 1.055/05. Essa resolução teve como objetivo traduzir, analisar e emitir normas, orientações e pronunciamentos técnicos, visando a concordância da contabilidade brasileira aos padrões internacionais.

As Leis 11.638/2007 e 11.941/2009 alteraram, de forma significativa, a contabilidade brasileira convergindo para as IFRS. Por conta da globalização, do mercado de capitais e do aumento da competitividade brasileira no mercado mundial, foi necessário adotar as normas internacionais contábeis. Muitas empresas passaram a se interessar em negociar suas ações na bolsa de valores para atrair investidores internacionais.  

A adoção das IFRS no Brasil teve o propósito também de reduzir as diferentes práticas e critérios de reconhecimento e mensuração de transações financeiras no país. Antes, era um motivo de dúvidas e apreensão analisar as demonstrações contábeis das empresas no Brasil.

As IFRS para empresas brasileiras têm um objetivo específico, que é apresentar aos investidores e demais participantes da economia o poder aquisitivo da moeda frente a outras economias. Aqui, cabe uma diferenciação entre moeda corrente e moeda funcional.

A moeda funcional faz parte do ambiente principal econômico onde a organização faz parte. Essa moeda gera operações de entrada e saída de caixa e, com isso, não possibilita que a empresa faça uma adesão de moeda diferente da sua nacional. Dessa forma, é possível manter as demonstrações contábeis. Já a moeda corrente ou local é a moeda do país onde a organização atua suas atividades e está inserida.

IFRS para PMEs

As empresas brasileiras mais afetadas pela adoção de IFRS foram as sociedades anônimas de capital aberto, pois elas buscam capitais tanto do mercado nacional quanto do estrangeiro, e precisam adaptar suas demonstrações e informações contábeis.

A partir de 2009, foi aprovado o CPC-PME que adotava as IFRS para as pequenas e médias empresas. Isso foi justificado para trazer mais confiabilidade e transparência nas demonstrações contábeis, além de gerar mais informação no processo de tomada de decisão.

Mesmo que sejam pequenas ou médias, essas empresas podem ter ambições maiores e serem procuradas por investidores estrangeiros. Por isso, foi necessária a adequação ao modelo internacional padrão.

Além disso, a ação de IFRS facilita o trabalho da auditoria das empresas de todos os portes.

Como se adequar as IFRS

As empresas brasileiras implantaram um padrão único segundo as IFRS, para que os analistas contábeis e investidores mensurem a posição financeira e o desempenho das empresas de forma mais precisa.

Assim, todos os profissionais, envolvidos em produzir informações contábeis, precisam ter capacidade técnica e conhecimento para visualizar e analisar toda a situação econômica das empresas.

As IFRS para empresas brasileiras alavancaram a economia do país e tornaram suas empresas mais atrativas para investidores internacionais. Salientando que os outros países não têm a obrigação de se adequarem às normas contábeis brasileiras, uma vez que a moeda funcional de conversão mundial é o dólar. Em outras palavras, após a adoção das IFRS pelas empresas brasileiras, as mudanças evidenciando o poder aquisitivo da moeda são convertidas para o dólar, e somente depois para o real.

A principal vantagem de adotar as IFRS, para as empresas brasileiras, foi a adaptação das normas internacionais. Com isso, é possível comparar e analisar as empresas do país com empresas estrangeiras de forma mais exata e fácil. Dessa forma, é importante que as empresas brasileiras harmonizem sua contabilidade com as IFRS.

A adoção das IFRS trouxe maior transparência para as empresas brasileiras, e possibilitou maior entendimento da demonstração contábil, além de mais integração com o mercado internacional de capitais. Por consequência, as normas aumentaram a eficiência e a qualidade dos grupos internacionais, uma vez que as modificações nas demonstrações contábeis quase acabaram.

Benefícios da IFRS para empresas brasileiras

As empresas brasileiras que operam no exterior ou que possuam capital estrangeiro, devem realizar vários tipos de demonstrações financeiras, a fim de obedecer a todos os princípios contábeis dos diferentes países. Com a adoção das IFRS, as empresas brasileiras podem aplicar um padrão contábil global.

Confira os principais benefícios das IFRS para empresas brasileiras:

  • Melhora na qualidade da informação;
  • Possibilidade de melhoria para acessar o capital;
  • Integração dos mercados de capitais nacionalmente;
  • Melhoria para acessar o crédito;
  • Aumento das ambições de crescimento do Brasil no mercado internacional;
  • Potencialização da transparência e comparabilidade das demonstrações contábeis e financeiras;
  • Uso de dados contábeis pelos gestores das empresas;
  • Disponibilidade de dados financeiros qualificados para autoridades responsáveis e acionistas.

Com a adoção das IFRS, as empresas sofreram alterações nas suas estruturas, incluindo a estrutura de poder, em que houve uma integração maior das outras áreas organizacionais com o setor contábil. As empresas se abriram para negociações e transações internacionais, gerando maior segurança em relação aos investidores e na sessão de crédito.

Conclusão

As IFRS trouxeram maior conformidade para os registros, divulgação e tratamento das informações contábeis. A harmonização das normas internacionais contábeis tornou-se imprescindível na empresa, a fim de atingir maior comparabilidade e transparência nos relatórios financeiros. Dessa forma,é possível que, todo o público-alvo envolvido como sócios, investidores e demais usuários obtenham as melhores informações contábeis e financeiras.

Portanto, se você deseja saber mais sobre as normas internacionais de contabilidade, conheça nosso curso MBA EAD Contabilidade em IFRS.

Compartilhe

Deixe uma resposta