As melhores práticas da governança corporativa

A Governança Corporativa é uma espécie de “fair play” ou jogo limpo do mundo dos negócios. Essa técnica trata das melhores práticas para tornar a administração empresarial mais transparente e eficiente.

Além disso, as empresas que põem em prática a Governança Corporativa são mais valorizadas no mercado, e por consequência captam recursos com mais facilidade. E caso esses recursos sejam bem aplicados, a empresa vai construir uma boa reputação e criar valores junto a sociedade.

Entenda o conceito de governança corporativa e como aplicar as melhores práticas no seu negócio nos dias de hoje.

O que é governança corporativa?

O conceito de governança corporativa surgiu na década de 1980, com o movimento de investidores e acionistas americanos, que tinham por objetivo se protegerem contra as arbitragens cometidas por diretores de várias companhias e a negligência dos conselhos de administração.

De acordo com Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC, o conceito é definido assim: “Governança Corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

Em resumo, a Governança Corporativa é o aglomerado de boas práticas para que acionistas, colaboradores e investidores alinhem seus interesses com a Administração da empresa.

Para que serve a Governança Corporativa?

A ética pauta as melhores práticas da governança corporativa. Quando sócios, funcionários, administradores e executivos exercem os princípios da Governança Corporativa e aplicam esses valores, a ética é consolidada na empresa.

A governança corporativa serve para aprimorar os processos administrativos da empresa. E isso se aplica em todas as decisões estratégicas. A governança corporativa direciona, monitora e avalia as etapas da gestão empresarial.

Princípios fundamentais da Governança Corporativa

A Governança Corporativa possui 4 princípios fundamentais que norteiam as práticas a serem adotadas pelas empresas.

São eles:

  1. Transparência;
  2. Equidade;
  3. Prestação de contas;
  4. Responsabilidade corporativa.

Transparência

É a disponibilização de informações positivas e negativas a todos os interessados. Aqui são informados todos os dados referentes a desempenho econômico-financeiro, responsabilidade social, entre outros, que fazem parte da ação gerencial. Essas informações devem conduzir a otimização e a preservação dos valores da empresa.

Equidade

É o tratamento isonômico, igualitário e justo entre todos os sócios da empresa e as demais áreas interessadas como stakeholders, fornecedores, clientes, etc. São levados em consideração os direitos de todos, como necessidades, deveres, expectativas e interesses.

Prestação de Contas

Os agentes da governança corporativa precisam prestar contas de todos os seus atos e assumir as consequências em caso de erros e omissões. Eles devem cumprir seus papéis com responsabilidade e diligência.

Responsabilidade Corporativa

É dever dos agentes da governança corporativa zelar pela viabilidade e sustentabilidade econômico-financeira da empresa, com o objetivo de aumentar sua longevidade e reduzir as questões negativas do seu negócio.

Devem ser levados em consideração todos os capitais da empresa (manufaturado, humano, financeiro, social, intelectual, reputacional, ambiental, etc), a curto, médio e longo prazo.

Melhores práticas

A principal característica da governança corporativa é definir um conjunto de regras, abordagens e procedimentos que precisam ser seguidos por toda empresa. As práticas asseguram maior autonomia na gestão empresarial, pois acompanham todos os processos de tomada de decisão.

Confira as 4 melhores práticas de governança corporativa que devem ser adotadas por empresas de pequeno, médio e grande porte:

1 – Estabelecer uma hierarquia bem definida e clara

Cada colaborador e funcionário deve saber a quem responder na empresa. É fundamental que todos os envolvidos nas atividades conheçam suas funções e a qual setor cada um pertence.

Quando um colaborador receber ordens de vários setores distintos, sua capacidade de produtividade e entrega ficam comprometidas. É preciso estar claro para todo funcionário quem é a sua liderança direta. Assim, fica mais fácil de definir e alinhar as prioridades.

No caso dos presidentes das empresas, eles ficam sempre com a responsabilidade final nas decisões tomadas.

Uma hierarquia bem definida e clara permite aos gestores cobrarem as ações determinadas e simplifica o controle e acompanhamento dos resultados.

2 – Definir políticas organizacionais

Apenas estabelecer uma hierarquia não basta para garantir uma boa governança corporativa. Também é preciso definir de que forma todos os setores da empresa vão atuar. Essa definição é feita por meio das políticas organizacionais.

As políticas organizacionais são as guias ou princípios que orientam e balizam as ações para o cumprimento de objetivos e metas estabelecidos para a empresa.

Essas políticas são orientações formais para facilitar as tomadas de decisões em todos os níveis da organização.

Para garantir qualidade na gestão e a conquista de resultados estratégicos, é essencial definir as políticas organizacionais.

3 – Realizar reuniões de acompanhamento

Para manter uma governança corporativa eficiente, a empresa deve realizar reuniões de acompanhamento periódicas entre diretores, sócios, conselhos e setores.

Essas reuniões são fundamentais para acompanhar os projetos em aberto na empresa. Além disso, a partir dessas reuniões, a empresa terá uma visão geral dos diversos processos e pode verificar a possibilidade de traçar novos planos, diretrizes e elaborar planos de ação, referentes a diferentes indicadores e metas.

É imprescindível que essas reuniões sejam registradas, pois elas são importantes para prestar contas a atuais e futuros investidores.

4 – Formar um Conselho Consultivo

A quarta prática de governança corporativa é a formação de um conselho consultivo. Esse Conselho deve reunir profissionais de diferentes perfis, com bagagem e vivência de mercado e que já passaram por vários desafios nas suas carreiras.

Em geral, o conselho consultivo deve ser composto por 3 a 5 pessoas para compartilhar experiências e sugerir e orientar a diretoria na tomada de decisões.

Quer saber mais sobre governança corporativa e suas melhores práticas? Faça o curso MBA EAD Finanças da Fundace.

Compartilhe

Deixe uma resposta