Impostos pagos pelo ribeirão-pretano já somam R$ 1,2 mil

No acumulado de janeiro a maio deste ano, cidade registrou aumento de 19,8% na arrecadação federal, em comparação ao mesmo período de 2017

Ribeirão Preto seguiu a tendência nacional e estadual de alta na arrecadação federal, no acumulado dos cinco primeiros meses de 2018, somando 1,2 milhão em tributos, 19% a mais em relação ao mesmo período do ano passado.

Apenas no mês de maio, a arrecadação federal atingiu a marca de R$ 204.046 mil, 10% a mais que em 2017, com variação positiva em todas as rubricas – Cofins (27,9%), PIS/PASEP (21,2%), IRPJ (16,5%), IPI (15,9%), CSLL (12,1%) e IRRF (10,5%).

A região também apresentou alta na arrecadação e alcançou R$ 2.067 milhões em tributos, 18,1% a mais do que no acumulado de janeiro a maio de 2017. Entre as variações positivas, as que tiveram maior peso na cesta de arrecadação foram COFINS (23,7%), PIS/PASEP (22,5%), IPI (22,3%) e IRPJ (21,3%). Os dados são do Boletim Termômetro Tributário de julho do Ceper/Fundace.

Ao longo dos primeiros cinco meses de 2018, a arrecadação no Brasil atingiu a cifra de R$ 413.934 milhões, um aumento de 9% frente ao período de janeiro a maio de 2017. Destaque para o IPI e o IPI Vinculado à importações, com aumento real de 22,79%, em relação ao mesmo período do ano anterior. COFINS e PIS/PASEP tiveram crescimento de 13,29%, vindo do aumento das alíquotas do PIS/COFINS sobre combustíveis a partir de julho de 2017.

No estado de São Paulo, o percentual de crescimento na receita tributária foi similar ao nacional, com 9% de aumento no acumulado, somando 174.568 milhões, com destaque para IPI (11,7%), IPRJ (10,5%), COFINS (9,3%), PIS/PASEP (8,9%), CSLL (7,7%) e IRRF (2,0%).

A arrecadação acumulada de janeiro a maio de 2018 foi a segunda maior dos últimos cinco anos e registrou a única variação positiva no período analisado. ”Há uma tendência de mudança de quadro a curto e médio prazos, como impacto da paralisação dos caminhoneiros, com interrupção na produção da indústria e reflexo em todos os setores da economia”, avalia o  pesquisador do Ceper Sérgio Sakurai, coordenador do Boletim Termômetro Tributário, elaborado em conjunto com as pesquisadoras Giulia Coelho e Lorena Araújo.

Os dados completos do estudo podem ser acessados no site da Fundace:https://www.fundace.org.br/_up_ceper_boletim/ceper_201807_00383.pdf

Sobre o Ceper – O Centro de Pesquisa em Economia Regional (Ceper) foi criado em 2012 e tem como objetivo desenvolver análises regionais sobre o desempenho econômico e administrativo regional do País. Reúne a experiência de diversos pesquisadores da FEA-RP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto) da Universidade de São Paulo em pesquisas relacionadas ao Desenvolvimento Econômico e Social em nível regional, a análise de Conjuntura Econômica, Financeira e Administrativa de municípios e Gestão de Organizações municipais, entre outros. A iniciativa de criação do Centro foi dos pesquisadores Rudinei Toneto Junior, Sérgio Sakurai, Luciano Nakabashi e André Lucirton Costa, todos da FEA-RP/USP. Os Boletins Ceper têm o apoio do Banco Ribeirão Preto, Stéfani Nogueira Incorporação e Construção, São Francisco Clínicas, Citröen Independance, Ribeirão Diesel e CM Agropecuária e Participações.

Sobre a Fundace – A Fundação para Pesquisa e Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia (Fundace) é uma instituição privada, sem fins lucrativos, criada em 1995 para facilitar o processo de integração entre a FEA-RP e a comunidade. Oferece cursos de pós-graduação (MBA) e extensão em diversas áreas. Também realiza projetos de pesquisa in company, além do levantamento de indicadores econômicos e sociais nacionais regionais.

 

Fonte: www.ribeiraosul.com.br/noticias/impostos-pagos-pelo-ribeirao-pretano-ja-somam-r-12-mil

Compartilhe

Deixe uma resposta